Ainda não há comentários

O meu próximo é minha referência de Deus

Texto Bíblico

Gênesis 2:18

18 – E disse o SENHOR Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele.

Como Ministério Monte Sião temos uma declaração de propósito: extrapolar os limites da religiosidade. Acreditamos que os limites da Igreja vão além do culto, clero, domingo e templo. Monte Sião não é o que você encontra no endereço Monsenhor Eduardo, 333 – Bom Jesus. Não somos uma organização ou instituição que se resume a uma pessoa ou a um lugar. Extrapolar os limites da cidade significa alcançar os confins da Terra.

Depois de 15 anos, algumas coisas mudaram quanto a nossa concepção de Igreja. Nascemos como Comunidade Monte Sião. Hoje, entendemos diferente a questão de comunidade. Somos uma igreja que prioriza relacionamentos. O propósito de Deus para nossa vida é RELACIONAMENTO.

O contexto do versículo citado nos explica que um homem, mesmo tendo Deus na vida, se não tiver mais ninguém, este homem estará sozinho. Pode parecer heresia, mas não é isso. A Bíblia diz que Deus faz “um” homem, ou seja, sozinho. Ao analisarmos esse versículo, não se trata de uma referência ao gênero, mas ao ser masculino. Não estamos falando do homem genérico, mas de um indivíduo. O homem percebe que todos os animais possuíam pares. Tudo no jardim tinha um companheiro. Desde os animais até Deus (Trindade). O homem tinha alguém maior que ele (Deus) e menor que ele (animais), mas ninguém no mesmo nível para se relacionar.

Adão poderia mostrar a Deus que algo errado acontecia no Jardim. “Estou sozinho e não sou como os outros que possuem companhia”. Poderia soar como uma mentira diante de Deus, porque o próprio Deus fazia-lhe companhia. Alguns poderiam até considerá-lo abusado. Porém não foi o homem que fez tal observação, mas o próprio Deus. Este percebeu que o homem necessitava de alguém para trazer completude à vida de Adão.

Bom. Assim foi qualificada toda a natureza que Deus criou. Este bom significa suficiência. É o que falamos ao receber comida ou bebida. Quando vemos o que é suficiente, dizemos está “bom”. No caso de Adão, ter animais ou Deus para se relacionar não era suficiente. Não é bom que o homem esteja só, porque só homem basta o outro homem. Apenas um homem se relaciona com outro nome.

A Trindade entrou em consenso de que o homem estava sozinho, sem nenhum igual. Deus é uma comunidade entre iguais: Pai, Filho e Espírito Santo. Faltava ao homem um relacionamento entre iguais. Assim, podemos concluir que o homem precisa de Deus e também do outro homem. Se retirarmos Deus do relacionamento do homem, ele se torna um bicho, um animal. Um homem sem outro homem se transforma em demônios. Só o homem é portador da imagem de Deus. Nós somos a imagem de Deus. Eu não consigo ver Deus na minha própria imagem, mas na imagem do outro. Sem alguém na sua vida, você perde a referência de Deus. Somente o outro pode me mostrar a referência de Deus. Se eu mesmo sou a referência, a partir da minha vida, da minha imagem, estou caminhando em direção a demonilização. O que é um demônio? É um ego absoluto, ou seja, aquele que se basta, é autossuficiente, o centro das atenções. Quando sou assim, tenho atitudes de demônios, porque quero tudo ao meu favor. O ego absoluto não constrói, mas destrói tudo. Tudo gira ao redor dos seus caprichos e vontades. O ego absoluto diz que a outra pessoa só existe para fazer outro feliz, para dar prazer a outra pessoa.

Saul estava diante de um homem segundo o coração de Deus: Davi. A vontade do Rei? Matar Davi, porque ele não aceita a aprovação para outra pessoa. Assim era Caim e Herodes. Pessoas que queriam matar outra, por causa do questionamento. Um ego absoluto mata aqueles que confrontam-no. Deus é amor, não é ego absoluto. Deus não exige que tudo gire ao seu redor. Até chamamos Deus de todo poderoso e único deus. Mas não falamos isso como alguém que priva outras pessoas de estarem ao seu lado. Deus olhou para o homem e teve amor. Mesmo sendo maus, ainda assim Deus nos abençoa. Deus permite que a mesma chuva caia sobre bons e maus. Deus se deixou matar, se prender, em Jesus. Mesmo com todo o poder, Deus não deseja que tudo gire ao seu redor, Ele se importa com outras pessoas.

Por que dizemos que pessoas precisam de pessoas? Porque nelas vemos a referência de Deus. Se você não considera a outra pessoa, você é um demônio. As pessoas me mostram Deus. Essa era a realidade de Moisés. Ele nasceu para libertar o povo de Deus. Aos 80 anos, Deus o chama para o propósito desse chamado. Ele tentou fugir dos propósitos, mas Deus não desistiu. A vara na mão de Moisés se tornou em cobra. Ainda assim ele não foi: com vara e cobra não caminhou. A mão com lepra ou sem lepra não o incentivou a ir para o Egito. A botija com água que transformou em vinho (sangue) não foi suficiente. Moisés estava resistente a tudo isso. Quando Deus disse que seu irmão, Arão, iria com ele, então ele aceitou sua missão. Mesmo com todos os sinais, Moisés não aceitou o desafio. Arão deu a Moisés o motivo para ir ao Faraó.

Moisés responderia: não é bom que o homem viva só. Moisés teve Arão, Josué. Davi tinha Jônatas. Salomão conclui: melhor é serem dois do que um, porque se um cair, o outro o levanta. Pessoas ajudam e abençoam pessoas. Quando Deus estabeleceu os dons, foi para que você abençoasse outras pessoas. Deus usa pessoas para ajudar você. Deus usou pessoas para escrever a Bíblia, a fim de abençoar você. Deus não sua os anjos, mas pessoas para abençoar pessoas. É o outro que me faz compreender e ver Deus.

Se quero dar comida a Deus, ele diria a você: não tenho necessidade de comer, mas dê aquele que tem fome, porque fazendo isso a outra pessoa estaremos fazendo a Deus, como o próprio Jesus disse. Quando você ajuda um necessitado, você está ajudando a Deus.

Se não quiser morrer sozinho, se quer viver uma vida de companheirismo, aqui estão conselhos importantes, para quem casar, manter o casamento, se relacionar bem com família e amigos. Com todas as pessoas.

1) Aprofunde as coisas íntimas do seu afeto falando da sua solidão. Saia da sua superficialidade. Algumas pessoas só sabem falar de coisas comuns como a chuva, o tempo, o jogo de futebol; Troca-se até receitas do programa da Ana Maria Braga. Estas são pessoas que não tem coragem de falar de seus medos, dificuldades da alma, que querem esconder sua atitude de gente, medrosa.

Saia da troca de informação e venha para vida. Algumas pessoas apenas trocam informações e não vivem. São solitários, sozinhos. Para exemplificar melhor: estou doente, quinta-feira terei uma cirurgia. Orem por mim. Poderia ser diferente. Estou doente. Quinta-feira terei uma cirurgia. Mas estou com muito medo. Exponha sua alma. Saia do nível da informação e vá para a profundidade do relacionamento. Intimidade é convívio com pessoas. Jesus falava com 5000. Depois com 300. Depois com 12 e por fim apenas com os 3.

2) Construa uma reputação de ser um bom ouvinte. Alguns têm reputação de que não sabem ouvir. Isso é ruim. É importante ouvir as palavras dos outros: dos seus pais, cônjuges e amigos. Quando estiver ouvindo alguém não interrompa para explicações. Quando você não é um bom ouvinte, as pessoas desistem.

3) Creia na cura das palavras. Os psicólogos podem pensar que falarei de Freud que diz que somos habitados por uma confusão de palavras que ao serem faladas, são organizadas e trazem cura. Existe verdade nisso. Às vezes falamos sem parar. E no final nos sentimos melhores. Não foi Freud o dono desse conceito, é bíblico: Tiago 5: 16: Confessai as vossas culpas uns aos outros, e orai uns pelos outros, para que sareis. A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos. Quando o outro me ouve, ele me aceita, me encoraja. A confissão não é a de ter roubado o vizinho, mas o que a Bíblia espera é que você admita sua dependência da graça de Deus, que você admita que algumas vezes faz da vida do outro uma desgraça, porque não sabe se relacionar com outras pessoas. Confesse o seu egoísmo. A Bíblia não é superficial. Ela é profunda. Confesse que você tem deixado triste algumas pessoas.

4) Construa relações baseadas no perdão e não na pseudo perfeição. Você e eu nos acolhemos e quando isso acontece aprendemos mutuamente. A relação deve ser baseada no perdão para termos relacionamentos sadios e caminhar na profundidade do relacionamento. Se prepare para ser ferido pelo seu amigo, contudo pela conversa ambos irão crescer. Isso acontece quando nos relacionamentos intimamente com outra pessoa. Ao chegar ao limite da pessoa, verá que ela não é bem o que você esperava. Ou você perdoa ou descarta. É por isso que poucas pessoas odeiam células. As pessoas não estão acostumadas a relacionamentos. Quem pula de relacionamento em relacionamento são superficiais e geram solidão. Pessoas precisam de Deus. pessoas precisam de pessoas. I João 4:20: Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu?

O apelo desta mensagem é que você não tenha medo do relacionamento. Um relacionamento precisa se basear no perdão para que ambas as partes sejam abençoadas. Foi assim com Cristo e nós e assim deve permanecer entre nós e o próximo.

Deus te abençoe.

Apóstolo Anselmo Valadão

Publicar um comentário