Ainda não há comentários

A palavra não vive destituída de atos.

Texto: Lucas 10:25 – 37

25 – E eis que se levantou um certo doutor da lei, tentando-o, e dizendo: Mestre, que farei para herdar a vida eterna?

26 – E ele lhe disse: Que está escrito na lei? Como lês?

27 – E, respondendo ele, disse: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento, e ao teu próximo como a ti mesmo.

28 – E disse-lhe: Respondeste bem; faze isso, e viverás.

29 – Ele, porém, querendo justificar-se a si mesmo, disse a Jesus: E quem é o meu próximo?

30 – E, respondendo Jesus, disse: Descia um homem de Jerusalém para Jericó, e caiu nas mãos dos salteadores, os quais o despojaram, e espancando-o, se retiraram, deixando-o meio morto.

31 – E, ocasionalmente descia pelo mesmo caminho certo sacerdote; e, vendo-o, passou de largo.

32 – E de igual modo também um levita, chegando àquele lugar, e, vendo-o, passou de largo.

33 – Mas um samaritano, que ia de viagem, chegou ao pé dele e, vendo-o, moveu-se de íntima compaixão;

34 – E, aproximando-se, atou-lhe as feridas, deitando-lhes azeite e vinho; e, pondo-o sobre a sua cavalgadura, levou-o para uma estalagem, e cuidou dele;

35 – E, partindo no outro dia, tirou dois dinheiros, e deu-os ao hospedeiro, e disse-lhe: Cuida dele; e tudo o que de mais gastares eu to pagarei quando voltar.

36 – Qual, pois, destes três te parece que foi o próximo daquele que caiu nas mãos dos salteadores?

37 – E ele disse: O que usou de misericórdia para com ele. Disse, pois, Jesus: Vai, e faze da mesma maneira.

Nesse tempo, diante de Jesus está um homem inteligente e entendido da Lei, com a intenção de provar o Mestre. Tentando complicar a situação para Jesus, ele questiona como poderia ser salvo. A resposta para aquele jovem foi uma resposta à altura de alguém que tinha conhecimento.

Muitas pessoas também têm conhecimento, alcançado em tantos lugares diferentes como aquele homem. Ele conhecia Deus no discurso, na teoria e na fala. Mas para saber de fato que é Deus é necessário observar o que flui de dentro de você.

Este homem poderia ser considerado um teólogo, um doutor da Lei. Ele é até elogiado por Jesus. No verso 28, Jesus diz a ele que fazendo tudo corretamente ele então viveria. Apenas pronunciar a Lei não é suficiente. Você pratica isso pelo menos? Faça isso agora e viverá. Existência todos nós temos, mas vida eterna somente aqueles que praticam a Palavra.

Não há outro caminho para a Eternidade. Jesus é o único caminho. Pratique a palavra e viverás. Vida eterna fala de qualidade de vida. Quem ama tem a Vida Eterna. Esse jovem vai além da Torá. Ele acrescenta: amar a Deus com toda a sua força (e ainda dá ênfase nesta parte). Aquele homem sabia tudo sobre amar a Deus, mas desconhecia o amar ao próximo.

Você sabe qual é o limite do que ele está dizendo? De toda a alma, força, entendimento e coração? Ele sabia isso no que diz respeito a Deus, mas não sabia como fazer o mesmo com o seu próximo. Seria possível mensurar isso?

Cada pessoa tem uma medida para alma, força, entendimento e coração. É algo muito genérico. É uma resposta para fugir dos outros questionamentos. Esse homem faz parte do grupo de pessoas no qual a Fé e Deus são apenas discursos e conversas. Muitas pessoas são assim: falam sobre Deus, tem Deus na camiseta, no carro e em todos os cantos. Como podemos dizer a alguém que esta pessoa não ama ou que não está fazendo isso com toda a sua força, entendimento ou alma? Quem julgará isso?

Aquele homem tinha uma boa fala e também um belo discurso. Se a conversa terminasse ali, ele teria se saído muito bem.

Leia: João 1: 1-5;14.

A Palavra é carne, ela existe no mundo real. Para o cristão a palavra encarnou e tomou forma de carne. Na fé cristã não basta ouvir é necessário ver. Não basta discurso, precisa-se de prática. A carne tomou forma de pessoa para que pudesse ser vista por todos.

Quando Pedro estava na casa de Cornélios dando testemunho de Jesus (Atos 10:38) que pregava em todas as regiões, Pedro falava de um homem que não apenas falava, mas curava as pessoas, libertava os cativos. Jesus não era apenas palavras, era atitude.

Não podemos ficar apenas no discurso. É necessário haver atitude. Não só ouvimos, mas também vemos. A igreja de Atos é uma Igreja de prática e atitudes. A palavra não vive destituída de atos. A palavra se fez carne, habitou entre nós, curou enfermos, alimentou multidões, tudo isso com aquilo que poderia ser visto. Jesus não se sensibiliza com sua conversa, mas se agrada de sua vida de práticas.

Jesus sabia que aquele jovem era instruído na Lei. Os hebreus ou judeus possuem uma mente concreta e não abstrata. Nos, do ocidente, somos mais filosóficos e abstratos. Jesus estava ensinando relacionamento. Ele fala de estar junto de outras pessoas.

Jesus então começa a contar uma história àquele jovem sobre um homem que é assaltado, violentado e deixado à beira do caminho. Passa alguém como aquele jovem, um conhecedor da Lei, que sabia tudo sobre Deus, na fala, mas não na prática de amar o próximo. Mesmo sabendo tudo da Tora, ele passa do lado.

Jesus esta contando a história de pessoas próximas a ele. De gente necessitada, deixada para morrer, que estão precisando de salvação. Quem largou o homem para morrer? O assaltante. O sacerdote passou e também fez o mesmo, deixou-o para morrer. Ele estava se associando ao bandido, sem dar importância à necessidade daquele homem estirado ao chão.

O segundo homem era um levita. Sabedor de tudo sobre Deus, adoração e louvor. Tudo o que diz respeito ao altar. Ele vai em direção ao altar de Deus, mas antes deixa o seu próximo para morrer. Este homem também se torna um cúmplice do assaltante.

Se o discurso não está encarnado não é discurso cristão, porque a fala do cristão é sempre encarnada. É algo real. O samaritano, o que ele sabia de Deus? Talvez ele disse: “eu não conheço nada, mas sobre o próximo eu entendo um pouco. Eu sei que Deus se importa com pessoas”.

Deus salva gente. Quando o cristão é cristão de verdade ele entende isso e compreende a profundidade do discurso. Ele não apenas fala, mas passa para a prática. Deus salva gente do inferno. Aquele samaritano sabia o que Deus queria, mesmo sem conhecer Deus como aquele jovem. O samaritano foi o próximo daquele que estava no chão.

Quem eu devo ser para o meu próximo? O que você dever ser para o seu próximo? Aquele homem era preconceituoso e não gostava de samaritano. Jesus ensinava que todas as pessoas eram gente, independente da raça, sexo ou posses financeiras. Jesus ensinava que não existe espaço para preconceitos, é importante salvar todo aquele que nEle crê. A resposta para todos os necessitados, em todos os aspectos é que você deve ser solidário com cada pessoa.

O que é ser cristão? É ser aquela pessoa que tem a palavra encarnada, que pratica a verdade, em todo tempo. Seja cristão. Seja prático, seja um cristão de atitude.

Deus te abençoe.

Apóstolo Anselmo Valadão

Publicar um comentário