Afinal, quem matou Jesus?

Ouça também esta mensagem:

Atos 2: 22 – 24

22 – Homens israelitas, escutai estas palavras: A Jesus Nazareno, homem aprovado por Deus entre vós com maravilhas, prodígios e sinais, que Deus por ele fez no meio de vós, como vós mesmos bem sabeis;

23 – A este que vos foi entregue pelo determinado conselho e presciência de Deus, prendestes, crucificastes e matastes pelas mãos de injustos;

24 – Ao qual Deus ressuscitou, soltas as ânsias da morte, pois não era possível que fosse retido por ela;

A pergunta é: quem matou Jesus? Se alguém te perguntar, qual será sua resposta? O que você dirá ou ensinará a essas pessoas? Creio que já somos maduros o suficiente para deixar a ideia de que foram os judeus os responsáveis pela morte de Jesus. O diabo usou esse argumento de que os judeus sacrificaram o Cristo e por causa disso, eles foram perseguidos, presos, maltratados e até hoje discriminados por essa ideia errada de que foram eles que mataram Jesus.

Seriam os soldados romanos? Foram eles que prenderam Jesus. Tinham armas, autoridade e poder para prender o Messias. Eles bateram nele e o crucificaram. Mas por outro lado, não podemos esquecer que esses soldados recebiam ordens. Poderiam pensar que estavam apenas obedecendo a ordens.

Se no entanto não foram os soldados romanos, poderíamos dizer que foi Pilatos, porque ele eram a pessoa que tinha a autoridade para mandar prender e controlar todos os destacamentos. Ele proferiu a ordem de prisão contra Jesus. É isso, encontramos o culpado pela morte de Jesus. Mas o mesmo Pilatos foi quem não viu culpa em Jesus e o enviou para Herodes, porque era um judeu e a Judéia era jurisdição de Herodes. Este pediu a Jesus um milagre pra que tivesse razões para soltá-lo, mas o filho de Deus não o fez. Herodes pede que vistam Jesus com vestes reais e o devolvam a Pilatos porque também não via nele nenhuma culpa.

Assim, se não foram os judeus, nem os soldados romanos, nem Pilatos ou Herodes, quem afinal de contas matou Jesus? Poderia ser o Sinédrio? Anás e Caifás. O sogro e o genro. Eles consideraram Jesus uma ameaça e o vêem como um falso Messias. Anás e Caifás, como Sinédrio prendem Jesus e o enviam para o julgamento. Se naquele momento eles olhavam para aquele homem que se dizia o Messias e as pessoas o consideravam como tal, o Sinédrio o condena como falso Messias.

Diante de Pilatos, Jesus diz que o Seu Pai tem a autoridade e esta foi dada ele. O Pai tem autoridade para soltá-lo inclusive. Dessa forma, podemos afirmar que foi o Pai quem matou Jesus? Em João 3:16 lemos que Deus deu seu único filho pela humanidade. Então não foi o judeu, nem o soldado, nem Pilatos, Herodes ou Sinédrio. Todos esses foram usados para cumprir a vontade do Pai. E Jesus também está presente nesse contexto, porque o próprio Jesus disse que Ele deu a sua vida, pela sua própria vontade. Então, afinal de contas, quem matou Jesus? Na minha opinião, penso que todos mataram. Isso inclui a mim e a você, porque nessa lista de possíveis acusados, faltava alguém: você e eu.

Quando olhamos para a morte dos inocentes, aqueles que não merecem morrer, todos nós temos parcela de culpa. Eu sou como um soldado que quando a situação fica apertada, sempre me esquivo dizendo que apenas cumprimos ordem, sem nos responsabilizarmos pelas nossas atitudes. Dizemos: “não posso brigar com o sistema, quem sou eu para desobedecer?” nos escondemos por trás desse sistema e do que nos mandam fazer. Lavamos nossas mãos. Olhamos para a maldade sistêmica do mundo e não fazemos nada. Que culpa eu tenho na morte dos inocentes? Vivemos como os soldados.

Pilatos foi usado pressionado pelo crime de sedição. Levaram um homem a ele e se dissessem a ele que estava ali um homem que se dizia o Messias e para eles essas palavras representavam blasfêmia e nós queremos condená-lo por isso. Pilatos não poderia matar Jesus por esse tipo de crime, porque ele não podia julgar crime religioso, apenas crimes políticos. Por isso, ao levar Jesus até Pilatos, disseram que ele queria ser como César, ser um libertados de Israel.

Muitas vezes, somos como esses. Levados a julgar causas e pressionados a isso. Dentro de nós, temos um Anás e Caifás. Aquela pessoa que começa a se destacar será vitima de comentários e ciúmes. Foi o que aconteceu com Jesus. “Ele prega com autoridade e nos ensina de uma forma nunca antes visto, não como aqueles que são de família como Anás e Caifás e além de tudo, ele faz milagres”. O ciúme cresceu. Sempre encontramos justificativas para deixar em descrédito o próximo.

Abel expõe Caim e este o mata. Davi expõe Saul e este o persegue tentando matá-lo. É assim que fazemos quando somos expostos, ameaçados, quando estamos na corda bamba, deixamos aparecer esse Caifás dentro de nós. O bandido na Bíblia era representado pela multidão. Esta multidão fez Arão fazer um bezerro de ouro. A multidão recusa a Terra Prometida. A multidão escolhe Barrabás. A multidão apedreja Paulo, pede a crucificação de Jesus. Somos assim: andamos atrás de multidões.

A multidão não possui personalidade própria, sendo influenciada e manipulada, errando e errando muito o tempo todo. A multidão segue a multidão. Ela faz fila para comprar um iPhone 4. O povo corre para comprar um iPad. Tem gente que está na igreja, mesmo sem saber o porquê. Eles vêm porque todos vêm. Estão sendo influenciados. Dentro de você mora uma multidão.

No Pentecostes, o convite que Pedro faz para o povo é: saia do meio da multidão. Porque dentro de você mora uma multidão, um Judas. Qual é o seu preço? Uma multidão se vende. O ditado popular diz que todo homem tem um preço. Judas se vendeu por trinta moedas de prata. Ele entregou Jesus por causa da inveja e não por conta do dinheiro. A Bíblia diz que a inveja foi a causa da morte de Jesus. Muitas pessoas são movidas pela inveja, pelo dinheiro, pelo império da conveniência. Porque dentro de cada um mora uma religião.

Então quando aparece um “falso Cristo” quero matá-lo, porque me traz prejuízos. Paulo diz que dos pecadores, ele era o principal. No fundo, somos a variável que justifica a cruz do calvário. Porque Deus é amor. Porque Jesus amava a humanidade, ele morreu por ela. A cruz foi necessária porque era forma de Jesus nos resgatar da morte e do pecado. Quem matou Jesus? Você e eu. Jesus foi para cruz por amor, por causa do nosso pecado e para nos salvar. Se não tivéssemos pecado ou saído do nosso pecado, não seria necessário morrer. O meu pecado fez necessário a Cruz.

A cruz foi conhecida por Jesus antes da fundação do tempo e do mundo. Deus já sabia que a cruz seria necessária. Qual foi seu maior pecado, querido, já cometido em sua vida? Meu maior pecado, cometido em minha vida, foi o último. É este pecado que hoje está sobre tua vida.

Que possamos entender porque Jesus precisou morrer. Ele o fez por causa do nosso pecado. Pedro, ao falar que vós matastes a Jesus, ele não se referia aos judeus, aos gentios, Pilatos, Sinédrio ou qualquer outra pessoa. Referia-se a humanidade, em seu último pecado. Ele lembrava nossos pecados. Jesus se deixou matar, por amor, a mim e a você.

Ap. Anselmo Valadão

07.11.10

Compartilhe



Veja também :