Ainda não há comentários

Discernindo os tempos.

Texto: Salmos capítulo 139.

Deus é bom e a sua misericórdia dura para sempre. Quanto mais discirno e observo os modos de Deus na natureza que Ele mesmo criou, percebo os milhões e bilhões de tudo. De todas as chances, de todas as variáveis, de todas as possibilidades. Esse Deus no qual cremos, cuja misericórdia dura para sempre, possui milhões de caminhos e possibilidades. Quando analisamos todas as suas variáveis para nós, a liberdade para nossa vida para ser, tentar, alternar e mudar. A liberdade em nossa vida é fruto do seu amor por nós. A vida tem muitos caminhos e variáveis e cada ser, em sua própria realidade, milhões e bilhões de possibilidades e variáveis.

De fato, Deus é bom e sua misericórdia dura para sempre. Meditando nos versos acima, o que mais se pode admirar em Deus é sua forma sutil e imperceptível de agir. Muitas vezes não atribuímos muitas coisas a Deus. Com certeza você já chegou a algum momento da sua vida em que não sabia qual direção seguir. Não me refiro a uma viagem de férias. Estou falando da vida que você precisa decidir e decidir por mudança. Dentro do universo em que você vive é preciso rever destinos e escolhas.

É preciso deixar todas as coisas encontrarem seu caminho, em meio a trilhões de variáveis que não discernimos, mas que se apresentam a nós todos os dias. Os princípios de Deus que regem o mundo regem a vida dos outros. Deus não interfere diretamente, para que você não se pareça como uma marionete. Deus não é um manipulador dos seus dias. Ele deixa as coisas encontrarem seus próprios caminhos.

Podemos pensar em tudo o que nos aconteceu, até o dia de hoje. Quem pode adivinhar as variáveis do existir? Como seria sua vida e ministério se as escolhas fossem outras? Deus trabalha na espontaneidade impensável, que para nós é descrita como “acaso”. Isso me faz saber que nada pode ser visto antes da hora. Deus tem sempre a ciência de tudo o que nos acontecer.

As armadilhas do Agir.

Sara – a armadilha do não saber esperar.

As variáveis são muitas. Na época, ainda Sarai e sendo de idade avançada, resolve oferecer sua escrava a Abrão para que a promessa de Deus se cumprisse. Deus havia prometido que ele seria Pai de multidões. Por se tratar de sua escrava, Sarai achava que poderia ficar com o filho para ela, como se fosse ela a progenitora. O plano parecia perfeito, mas não terminou simples ou como planejado. Sarai não consegue tomar o filho da mãe. O menino cresce. Passando algum tempo, Isaque nasce e Ismael, agora mais velho, passa a judiar de Isaque. Isso entristeceu o coração de Sara. Foi preciso mandar Hagar e Ismael embora e sabemos como a história termina.

Sara caiu na armadilha de não saber esperar em Deus, na Suas promessas. Entregar a escrava como esposa para seu marido foi uma grande armadilha. Muitas vezes agimos de forma semelhante. Não sabemos esperar as promessas de Deus. Tem pessoas que em meio a tantas possibilidades caem em armadilhas de não saberem discernir as escolhas. Deus permitiu Hagar ficar grávida porque Ele respeitou a opção de Sarai, assim como também respeita a sua.

A mulher de Ló – largar o que mandou largar

Não havia mais condições de salvação para Sodoma e Gomorra. Por isso Deus resolve destruí-las. Jesus apenas voltará quando a última possibilidade de salvação se concretizar porque Ele é um Deus de possibilidade e amor. Deus olhou para aquelas duas cidades e não enxergou possibilidades. Deus abomina o pecado. O anjo disse: apressem-se e não olhem para trás. A mulher de Ló olhou e se tornou uma estátua de sal. Pessoas não alcançam as bênçãos de Deus porque não sabem abandonar o que Deus pediu para abandonar. Pessoas morrerão se tornarão sal porque teimam contra Deus ou fazem pela metade. Não arrisque sua benção. A mulher de Ló não quis largar o que precisar largar.

Israel no deserto – cuidado com murmurações e com o que deseja

O povo que saiu do Egito atravessou o Mar Vermelho a pés secos. Isto se chama milagre. A escuridão que atrapalhavam os soldados era causada pela mesma nuvem que iluminava o caminho a sua frente. No deserto, eles murmuraram. A murmuração rouba a sua bênção. Ela tira de você o crescimento. Rouba as promessas. Murmurar é muito fácil. Gente que Deus ouviu a oração fazia parte do povo que murmurou e perdeu as promessas de Deus. Depois de apenas 3 dias eles já estavam reclamando. A murmuração fará você passar mais tempo no deserto do que o necessário ou até mesmo morrer nele. Tome cuidado.

Moisés – Deus sabe do que você é capaz

Se pudéssemos falar de predestinação, o nome na frente desta palavra seria Moisés, um homem de autoridade. Mas quando Deus oficializa seu chamado, ele diz que não era capaz. Quando Deus diz que você pode, você pode. Deus já havia dito que ele poderia. Deus já tinha dito sim. Moisés continuou com o discurso. Ao invés de falar com a rocha, ele bateu nela, mostrando sua incapacidade. Por causa disso, ele perde a oportunidade de entrar na Terra Prometida. Porque ele não soube agir, indo contra a própria palavra do próprio Deus.

Geazi – cuidado com seus desejos

Este era servo do profeta Eliseu. Ao ser curado de sua lepra, Naamã oferece muitas coisas em pagamento: prata, ouro, roupas finas e muito mais. O profeta recusa, mas o servo não. Geazi corre até Naamã e conta uma história mentirosa. Ele diz que o profeta acabara de receber algumas pessoas em casa e que não tinha recursos para recebê-las. Naamã então oferece parte do que antes oferecera ao profeta. Geazi fica satisfeito, mas o que recebera fora alvo de maldição. O que aconteceu com Geazi? Foi alcançado pela lepra de Naamã. Cuidado com os seus desejos. O que você não pode ter agora virá carregado de problemas e maldições.

Pedro – suas emoções podem ser uma armadilha

Pedro faz um discurso poderoso e tremendo sobre Jesus. Logo em seguida, em apenas alguns instantes ele tenta impedir Jesus de morrer. Ele admoesta Jesus por aquela conversa de suicida. Pedro estava envolvido emocionalmente na conversa e fora traído pelas suas emoções. Por causa delas, ele não enxergou o propósito de Deus para a vida de Jesus. Muitas vezes, nossos sentimentos nos impedem de alcançar as promessas de Deus.

Tomé – se você precisar enxergar ou tocar isso não é fé

Tomé era todo racional. Precisava tocar com o dedo para crer. Se você precisa enxergar isso não é mais fé. Se você precisa enxergar ou tocar pra ter certeza não é fé e sem fé é impossível agradar a Deus.

Muitos querem saber o futuro. Será bom saber sobre ele? Sinceramente não quero saber sobre o futuro. Mas há quem queira. Há quem morra para saber e há que mate para saber. A vida é uma surpresa. Que existência horrível seria se soubesse tudo o que me aconteceria amanhã? Seria sem graça e cheia de ansiedade. Sofreríamos de forma antecipada. Seria a existência mais sem amor possível. Deus ama e cria na paciência das surpresas e na surpres do acaso.

Olho para trás e vejo que qualquer decisão poderia ter mudado tudo e, nada do que é, seria. Tudo seguiu o curso das minhas decisões. Ao mesmo tempo em que de um modo ou de outro, pelo “acaso”, minha vida era e é guiada pelo vento soberano de Deus. A vida é surpresa para mim, para Deus não.

Saber antecipado ou supostamente antecipado somente trabalha contra o sentido das coisas. A sabedoria que a Palavra de Deus nos apresenta não é um guia contra dores no futuro, mas apenas um guia que se viva qualquer coisa a melhor atitude. Todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus.

Quase ninguém quer saber de sabedoria, mas de profecia. Esta é poder. Sabedoria é careta. A vida nos ensina que profecia, sem sabedoria é catástrofe, visto que a grande profecia é viver com sabedoria. Você quer saber o futuro? Aprenda a sabedoria que faz da vida uma profecia de coisas boas, mesmo quando a calamidade ou o “mal” é possível.

A sabedoria é o que faz da vida uma profecia de coisas boas. Com a sabedoria você saberá tirar proveito de todas as coisas, pois estas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus. Mesmo que seja aparentemente mal ou catastrófico. O que você quer: sabedoria ou profecia? Decida hoje.

Ap. Anselmo Valadão

14.11.10

Publicar um comentário