Ainda não há comentários

Os limites do "nosso".

Texto:

Lucas 10: 25-37

Quem é seu próximo? Essa pergunta foi produto de outra: como herdar a vida eterna? De fato, como podemos viver plenamente neste mundo? Falar de vida eterna não se refere a vida após a morte. O conceito judaico não é helenístico. O conceito ocidental, do pensamento grego, difere do conceito do oriente (hebreu). O conceito hebraico fala do Reino Messiânico.

Se tu és o Messias, o que preciso fazer para participar do seu reino? O conceito de Jesus era diferente daquele jovem que pensava no reino de homens. Este é um diálogo sobre o presente momento, não sobre pós-morte. Como você interpreta a Lei? A Bíblia diz: amarás a Deus sobre tudo e todos.

Jesus então conta uma parábola. O que fazer para ter vida plena? Você, teoricamente, já conhece tudo: Deus na teoria. Contudo, Jesus disse que era preciso praticar o conhecimento sobre Deus. Para que possamos entender as palavras de Jesus, devemos entender 3 tipos de pessoas:

1) Ladrão

2) Religioso

3) Amoroso.

Quem é o ladrão? Aquele que diz: o que é teu é meu. O que é teu é teu e o que é meu é meu define o religioso. O amoroso diz: o que é meu, eu compartilho. Alguns estudiosos dizem que os samaritanos são um povo resultado da mistura de raças. Não é o caso. Samaritano não era uma questão racial, mas religiosa. Eles também eram descendentes de Abraão. Por isso, podemos afirmar que se trata de um conflito religioso sobre onde devemos adorar. As pessoas mais intolerantes se dão por questões de religião. Isto tem causado muitos problemas no mundo inteiro.

Três indivíduos participam desta parábola. Ladrão: quer possuir o que é do outro. É alguém insatisfeito, sempre querendo mais, sempre buscando o que não é seu.

O Religioso olha para as pessoas e diz: ele está nas drogas porque escolheu isso. Aceitar ou não Jesus é problema de cada um, porque Ele estaria disponível para todos. Alguns religiosos querem apenas alimentar sua religiosidade. Muitos entregam a célula porque acham complicado lidar com pessoas. O religioso diz: vou cuidar da minha família e não do outro.

O Solidário (amoroso) pode ter apenas um bife na marmita que mesmo assim compartilha com o outro. Não importa se alguém entra em seu carro e suja o tapete de barro. Ele compartilha as bênçãos que recebera de Deus.

Podemos entender essa parábola por meio de um termo grego: pátho: aquele que é afetado, influenciado por algo. Esse sentimento tem a ver com a situação da parábola. A palavra para o ladrão é antipatia. Para o religioso: apatia. Para o solidário: simpatia.

O antipático, ao ver as pessoas possuírem, morre de raiva. Ele quer destruir os sonhos do outro. O antipático é invejoso e preguiçoso. Infelicita por causa do outro. Vive como um consumidor da vida alheia. O ladrão quer possuir o que outro tem.

O apático reclama da carnalidade do mundo. Só pensa nele e por isso, pensa que servir a Deus é fugir do mundo. Jesus disse: não os tire do mundo. Você serve a Deus na presença das pessoas complicadas, no emprego ruim, etc. Não adianta o isolamento. Devemos ser sal e luz deste mundo. Na idade média, as pessoas foram para o deserto. O problema do outro é do outro. Cada um tem o leão para matar no dia. Por isso, resolva sozinho o seu problema. Esse é o apático.

O simpático é aquele que se relaciona, contribui, abraça, ouve, dá o ombro e se oferece ao outro. O simpático para o que está fazendo a fim de ajudar o outro. Ele vê o Reino de Deus, aqui e agora. Por isso, é preciso saber administrar família, dinheiro, crise e tudo mais. Ele sabe usar o que Deus deu para ele. Compreende que o Reino de Deus não é deste mundo, mas neste mundo, para fazer desse lugar um local melhor para se viver.

LEIA: I Timóteo 6:17 e 18. Existem alguém aqui, hoje, com falta de algo para viver, vestir ou comer? O pobre não tem nenhum recurso. As riquezas que Deus nos proporciona é apenas para o meu aprazimento? Não. É para o nosso aprazimento. Qual é o tamanho do seu “nosso”? Cabe apenas sua família? Talvez sua sogra e termina aí seus limites.

Tudo o que você tem é dado por Deus. Deus prova a nossa fidelidade naquilo que Ele nos entrega. Se o dinheiro não ocupar algo em sua vida, não merece. O dinheiro precisa cumprir um propósito em sua vida. Para você mesmo, para o próximo e com a obra de Deus.

Certa vez ouvi alguém dizer que devemos orar como se tudo dependesse de Deus. Trabalhe como se tudo dependesse de você. Ore e vá à luta.

Outra pessoa disse o seguinte: ganhe muito, gaste pouco, não retenha nada, não acumule nada neste mundo. Jesus viveu neste mundo, sempre compartilhando e pensando no outro. Como você tem vivido hoje? Existem três categorias que você ocupar: antipatia, apatia ou simpatia. Em caso de dúvida, reflita sobre qual seria a escolha de Jesus. O que ele faria ou melhor, ou que Ele fez quando precisou escolher.

Ap. Anselmo Valadão.

05.12.10

Publicar um comentário