Ainda não há comentários

Um Deus que perdoa

Texto: João 8:1-11

1 – Jesus, porém, foi para o Monte das Oliveiras.

2 – E pela manhã cedo tornou para o templo, e todo o povo vinha ter com ele, e, assentando-se, os ensinava.

3 – E os escribas e fariseus trouxeram-lhe uma mulher apanhada em adultério;

4 – E, pondo-a no meio, disseram-lhe: Mestre, esta mulher foi apanhada, no próprio ato, adulterando.

5 – E na lei nos mandou Moisés que as tais sejam apedrejadas. Tu, pois, que dizes?

6 – Isto diziam eles, tentando-o, para que tivessem de que o acusar. Mas Jesus, inclinando-se, escrevia com o dedo na terra.

7 – E, como insistissem, perguntando-lhe, endireitou-se, e disse-lhes: Aquele que de entre vós está sem pecado seja o primeiro que atire pedra contra ela.

8 – E, tornando a inclinar-se, escrevia na terra.

9 – Quando ouviram isto, redargüidos da consciência, saíram um a um, a começar pelos mais velhos até aos últimos; ficou só Jesus e a mulher que estava no meio.

10 – E, endireitando-se Jesus, e não vendo ninguém mais do que a mulher, disse-lhe: Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou?

11 – E ela disse: Ninguém, Senhor. E disse-lhe Jesus: Nem eu também te condeno; vai-te, e não peques mais.

Há algumas semanas temos falado sobre a revelação do Pai (Deus) através do filho (Jesus). A Bíblia nos ensina que quem vê o filho, vê também o pai. O Pai é um Deus que também é: pastor, supridor de todas as necessidades, amoroso, perdoador. Sendo alguém que ama o tempo todo, Deus não destrói o que já está destruído pelo pecado. Deus perdoa o pecador, restaura sua vida e promove uma transformação completa.

Em Levítico capítulo 20 e Deuteronômio capítulo 28, a Lei de Moisés é clara quanto ao destino das pessoas que fossem pegas em pecado de adultério. Deus é rigoroso nos ensinamentos do VT. Na verdade, Ele continua o mesmo no NT, sendo muito mais rigoroso, quando ouvimos de Jesus a respeito de pensamentos e não apenas do fato consumado do pecado.

É no pensamento de cada um que aloja o adultério, ou seja, o pecado. O pecado não está no exterior, no lado de fora, mas tem seu início no interior e pensamento de cada indivíduo. A fagulha do pecado começa no seu interior até que consuma todo seu corpo, por meio do pecado.

No VT, Deus dá um conselho a Caim, que também se aplica a todos nós. “O pecado está à porta e cabe a cada um dominá-lo”. Jesus não veio para condenar, desfazer ou desaprovar a Lei de Moisés. Jesus veio para cumprir a Lei.

Adultério continua sendo adultério. Adultério continua sendo mal. Adultério continua sendo pecado. Este é o ensinamento de Jesus. O que Ele faz é “condenar” os executores da Lei. Ao olhar para os executores, Jesus consegue enxergar a intenção de cada pessoa. Sua pergunta foi: “quem não tem nenhum pecado?”. Jesus não especificou o pecado (adultério), mas chamou tudo de pecado. Ele conhecia a situação de pecado da mulher, porém não a condenou.

“O pecado que você não comete não pode ser motivo para condenar o outro. Naquilo que você é forte não deve ser razão para julgar quem é fraco nesta área. Se o pecado nasce dentro de nós, com a pergunta “quem não tem pecado?”, Jesus queria saber quem assumiria o papel de executor da Lei.

A máscara, depois de algum tempo, se torna o próprio rosto. Máscara de santidade esconde na verdade uma face de um pecador. Em outras palavras, somos uma comunidade de apedrejadores e mascarados. O que deve ser feito então?

É preciso perdoar, assim como Jesus o fez. A relação entre mascarados é uma relação de mentiras, uma comunidade de mentirosos. Precisamos entender e admitir que somos todos pecadores e, portanto, carecemos da graça e perdão de Deus.

Na relação do perdão habita a verdade. A partir do perdão você encontrará a verdade. Não fique imaginando o que está atrás da pessoa que você vê. Sabendo que somos todos pecadores, você correrá o risco, de no máximo ficar triste com a pessoa e não de ficar decepcionado. Não criaremos expectativas a respeito das pessoas, expectativas estas que não podem ser supridas por nenhum ser humano. Fique triste, mas não decepcionado com os outros. Saiba que debaixo de cada máscara existe uma pessoa pecadora.

O perdão é nosso sustento. O pecado mata mais que pedras, pois é a porta para a mentira. O pecado anula suas ações. Quando peco estou mentindo pra meu irmão e para mim mesmo. O pecado é como um câncer que invade o seu interior e a medida que cresce, destrói sua vida, de dentro para fora.

O que Deus nos ensina no VT é que o mal ou o pecado deve ser extirpado do meio do povo. Quando tomamos a posição de executores da Lei, corremos o risco de sermos os responsáveis por matar vidas que poderão ser grandes instrumentos na mão do Senhor. Corremos o risco de arrancar flores do jardim de Deus, de forma inconseqüente. Isso não significa que devemos estimular o pecado, mas a busca constante pelo perdão.

Leia: Salmos 103:1-7.

O Deus do AT que perdoa, é o mesmo que perdoa no NT. Infelizmente, muitas vezes preferimos viver como executores da Lei, como no VT a sermos participantes da Igreja de Atos, que não tolera o pecado, mas ama o pecador.

Deus é um Deus de oportunidades. Ele ama a todos de tal forma que não envia ninguém para o inferno. O homem, com seus próprios pés, caminha em direção a perdição. Não seja o executor da Lei do VT, mas seja alguém que participa da Igreja de Atos do NT, uma igreja de amor, de perdão, de uns aos outros.

Andar com Deus não é ser perfeito, mas ser honesto, ser sincero. A Igreja de Atos diz não para o pecado e sim para o arrependimento. O perdão só tem valor para quem confessa seu pecado, para quem vive em arrependimento.

O escritor de Hebreus diz que ainda não chegamos a ponto de derramarmos nosso próprio sangue na luta contra o pecado. (Hebreus 12:4). Paulo escreve que onde abundou o pecado, superabundou a graça. Que seja assim em nossas vidas também. Graça também fala de perdão. Seja forte. Vença a doença do pecado que nasce no seu interior, no seu pensamento. Ande em santidade, em arrependimento. ANDE NO PERDÃO DE DEUS.

Apóstolo Anselmo Valadão.

Publicar um comentário